#VC21   #CycleDiversity   #Velocity2021

Por que Lisboa não consegue resistir aos encantos das bicicletas de carga?

Blog Por que Lisboa não consegue resistir aos encantos das bicicletas de carga?
Neste segundo artigo da série #CargoBike, a Velo-city entrevista dois especialistas em mobilidade municipal para se familiarizar com a cultura emergente da bicicleta de carga em Lisboa, a cidade anfitriã da Velo-city 2021.
Das empresas às famílias, muitos encontraram nas bicicletas de carga uma ferramenta para todos os fins e uma oportunidade de contribuir para um ar mais limpo, ruas mais calmas e cidades mais habitáveis. As bicicletas de carga são rápidas, fiáveis, seguras e flexíveis na sua capacidade de transporte, o que as torna perfeitas  enquanto meio de transporte escolar e uma paragem rápida nas mercearias locais a caminho de casa. 

Nos últimos anos, o município de Lisboa tem vindo a promover a aceitação de bicicletas de carga entre famílias e indivíduos com notável sucesso. E a bicicleta de carga assistida eletricamente mudou profundamente a "perspetiva e experiência pessoal do Vereador da Câmara Municipal de Lisboa, Miguel Gaspar, sobre as bicicletas e a sua aplicação nas cidades". Como o mesmo observou nas redes sociais, "obtém-se a flexibilidade de um carro (...) e o prazer de usar uma bicicleta".


Miguel Gaspar, Vereador da Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa é um entusiasta da bicicleta de carga. (Creditos: Rita Pinto Coelho | Lisboa Capital Verde Europeia 2020)

As bicicletas de carga têm um grande potencial para transformar os padrões de mobilidade. No entanto, são tão seguras e convenientes como as infraestruturas, instalações, regulamentos e sistemas da sua cidade.
 
Leia algumas histórias inspiradoras de famílias de heróis locais de toda a Europa:

História 1: Duas crianças e nenhum carro? Funciona!
História 2: Sol, Alegria e Liberdade
História 3: As bicicletas de carga também funcionam em zonas rurais!

Em Novembro passado, a Câmara Municipal de Lisboa lançou o seu novo plano estratégico de mobilidade para 2030, MOVE Lisboa, demonstrando uma visão clara para a mobilidade urbana sustentável. Entrevistámos Gonçalo Pais e Miguel Cambão, técnicos da divisão de planeamento e estudos de mobilidade, da Câmara Municipal de Lisboa, para compreender como as bicicletas de carga estão integradas na estratégia municipal.

"Lisboa não tem uma longa história com as bicicletas de carga. Foi apenas durante o último ano que vivemos um boom na capital, principalmente com caudas longas, algumas Long Johns e bicicletas de carga de três rodas. Os lisboetas ainda sabem muito pouco sobre a existência de bicicletas de carga como alternativa de mobilidade, ou até nada", salienta Pais e Cambão, "O elevado preço de compra, a falta de estacionamento, o seguro contra roubo e infraestruturas adequadas são tudo barreiras para os habitantes de Lisboa darem o mergulho".

O município de Lisboa está agora numa missão para impulsionar este movimento recente. No âmbito do projeto CCCB (City Changer Cargo Bike), tem vindo a implementar várias medidas
para aumentar a sensibilização e estimular a utilização de bicicletas de carga:

1. Esquemas de subsídios: Em 2020, Lisboa introduziu um esquema de subsídio de bicicleta de 3 milhões de euros, reservando meio milhão de euros especificamente para as bicicletas de carga. Em 2021, um novo regime de subsídios verá a luz do dia, incluindo os vales de manutenção e acessórios, bem como os subsídios de bicicletas de carga para as empresas.


2. Empréstimos de bicicletas de carga: O município tem vindo a oferecer empréstimos a longo prazo de bicicletas de carga às famílias, de longe a iniciativa mais bem sucedida. Em 2020, vinte e cinco famílias experimentaram uma bicicleta de carga durante pelo menos um mês, e cinco acabaram por comprar uma após a experiência.


Os testes das famílias às bicicletas de carga são a iniciativa de bicicleta de carga mais bem sucedida de Lisboa.

3. Aquisições verdes: O município de Lisboa lidera pelo exemplo da sua própria frota:
 
  • Oito bicicletas de carga: emprestadas a famílias ou colocadas ao serviço do município em projetos como os "Comboios de bicicleta" ou SELIM (reparação e troca de bicicletas usadas). Durante a pandemia da COVID-19, foram também utilizadas para a entrega de bens aos idosos.
  • Um reboque elétrico de bicicleta: utilizado num mercado local de agricultores para aumentar a sensibilização para a micrologística.
  • Um trike: transporta pessoas e faz promoção na rua.
  • Quatro Longtails: disponibilizado para o pessoal municipal.

 
4. Infraestrutura: O município de Lisboa está constantemente a aumentar a sua rede de ciclovias e de parques de estacionamento para bicicletas. A rede de estacionamento a curto prazo nas ruas triplicou nos últimos dois anos e meio, enquanto uma rede de estacionamento de bicicletas a longo prazo está atualmente a ser desenvolvida. Concebida para acolher bicicletas de carga, a mesma é abrigada , fechada e vigiada.


5. Comunicações: Os ciclistas de bicicletas de carga são encorajados a publicar imagens usando as hashtags #CCCBLisboa, #Cyclelogistics e #CML nas redes sociais.

Miguel Gaspar pediu emprestada uma bicicleta de carga e fez o relato da sua rota durante uma semana, através do LinkedIn. Da mesma forma, convidou os seus pares de outros municípios a fomentar e promover projetos de bicicleta de carga. A equipa do CCCB Lisboa entregou a sua mensagem a nove municípios durante um evento único que atravessou Portugal de norte a sul com uma bicicleta de carga na mítica estrada N2. Este evento foi criado por uma loja e atleta local, com o apoio do município de Lisboa.


Primeiro festival de bicicletas de carga em Portugal, na avenida mais emblemática de Lisboa: Avenida da Liberdade.
 
6. Eventos: A cidade co-organizou o primeiro festival de bicicletas de carga em Portugal. A avenida mais emblemática de Lisboa fechou para acolher o evento, que reuniu vendedores de bicicletas de carga e muitos entusiastas locais que presidiram a discussões, palestras e provas. 

"Novos modelos de micrologística estão atualmente a ser desenvolvidos e as bicicletas de carga devem fazer parte desta nova realidade", sublinham Pais e Cambão, os dois técnicos. O CCCB Lisboa está a trabalhar com os principais atores logísticos para sensibilizar e cocriar um protótipo que poderia potencialmente ser integrado com o sistema de partilha de bicicletas de Lisboa, GIRA. “O sistema de partilha de bicicletas de carga é obrigatório", acrescentam Pais e Cambão.


Ana Pereira, mayor  da bicicleta em Lisboa, é uma heroína local.

As bicicletas de carga tornam a vida quotidiana mais fácil, mais eficiente e divertida! Mas há potencial para mais. As bicicletas de carga precisam do ambiente certo para prosperar. Há muitas maneiras dos municípios introduzirem e apoiarem as bicicletas de carga na sua cidade, e foi por esse caminho que Lisboa escolheu seguir.

Leia o primeiro artigo desta série #CargoBike aqui.

Recursos para os municípios e regiões para introduzir e apoiar as bicicletas de carga:
 

Junte-se à Velo-city 2021 Lisboa e assista às nossas sessões sobre bicicletas de carga:
 
  • "Explorar o Potencial Infinito das Bicicletas de Carga" - 7 de Setembro, 11H - 12H, Sala 1
  • "O Boom do E-commerce: ao resgate das Bicicletas de Carga"! - 9 de Setembro, 10.15H - 11.15H, Sala 3

Descubra o programa Velo-city 2021 Lisboa aqui!

Por Nolwen Graver
15 de Junho de 2021