#VC21   #CycleDiversity   #Velocity2021
cycle diversity
LISBOA 6-9 SETEMBRO 2021

Explorar a #CycleDiversity: Pedalamos juntos no Dia Internacional da Mulher

Blog Explorar a #CycleDiversity: Pedalamos juntos no Dia Internacional da Mulher
No Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, voltamos o nosso olhar para o género, de forma a salientar como a criação de ambientes ciclísticos, tendo as mulheres em mente, contribui para paisagens e comunidades urbanas mais inclusivas e seguras em todo o mundo.

Junte-se a nós na celebração das concretizações do passado, bem como na promoção de mudanças ainda mais positivas no caminho para um futuro melhor para todos.
As Mulheres e a Mobilidade em Bicicleta na linha da frente do combate à pandemia

Por volta desta data no ano passado, início de 2020, ainda não tínhamos entendido até que ponto a pandemia da COVID-19 transformaria as nossas vidas. Como muitas cidades estavam a implementar fortes medidas de restrição, as paisagens urbanas tornaram-se mais silenciosas e menos poluídas, enquanto entoavam as vozes que apelavam à mudança e à partilha de visões para um mundo diferente, melhor e mais equitativo.

Juntamente com o repensar da forma como vivemos e como abordamos as preocupações ambientais prementes, muitos têm apelado a um maior reconhecimento dos trabalhadores que são frequentemente negligenciados e subvalorizados. De forma repentina, e na sequência da pandemia, compreendemos que estes são a espinha dorsal das nossas sociedades, e começámos a referir-nos a eles como sendo essenciais. Um grande número destes trabalhadores essenciais são mulheres.

Tal como afirma a ONU, os impactos das crises nunca são neutros do ponto de vista do género. Os efeitos socioeconómicos da pandemia têm vindo a atingir com mais força as mulheres, especialmente pobres e marginalizadas. Além deste fator, 70% da mão-de-obra no setor da saúde, a nível global, corresponde a mulheres, que têm estado na linha da frente no combate à pandemia de COVID-19.

A comunidade ciclista rapidamente reconheceu a necessidade de apoiar as pessoas que continuam a prestar serviços-chave com um risco pessoal considerável. Ao fornecer bicicletas gratuitas a trabalhadores essenciais e ao entregar alimentos e medicamentos a pessoas isoladas, por exemplo, indivíduos e empresas mostraram que as bicicletas são parte da solução para reforçar a solidariedade nas nossas comunidades.

A mobilidade em bicicleta permitiu às pessoas, especialmente aos trabalhadores essenciais que não podem usufruir do teletrabalho, deslocarem-se em segurança para o trabalho, acompanhar as crianças à escola e fazer recados de forma eficiente.




Transformar o 'Boom' do Ciclismo (Cycling Craze) numa Solução Permanente

Concentrando-se noutros aspetos positivos, as mulheres também têm estado no meio da loucura ciclística que tem tomado lugar em muitas cidades do mundo. A bicicleta sempre foi um símbolo de emancipação, autonomia e liberdade e uma companheira indispensável na luta das mulheres pela igualdade. Não surpreende, portanto, que as mulheres tenham mais uma vez, e em condições difíceis, abraçado as possibilidades oferecidas pela bicicleta.

Durante a crise de COVID-19, a bicicleta tornou-se uma vez mais numa necessidade e triunfou como o meio de transporte mais barato, seguro e eficiente. Como ferramenta que ajuda a quebrar as barreiras da mobilidade, combate a pobreza no transporte e contribui para a coesão social entre pessoas de diferentes origens, respondeu à fragilidade dos nossos atuais sistemas de mobilidade. As políticas de promoção da bicicleta são, portanto, indispensáveis não só quando se trata de preocupações ambientais, mas também por razões de justiça social, inclusão e solidariedade.  

Apesar da evolução positiva ainda mais acelerada pela pandemia, o fosso entre mulheres e homens na mobilidade em bicicleta ainda existe na maioria dos países em todo o mundo.

A investigação mostra que as mulheres tendem a valorizar mais do que os homens as infraestruturas de ciclismo que são  melhores e mais seguras. Outra razão que contribui para a disparidade entre os sexos é que as deslocações pendulares das mulheres tendem a envolver mais viagens e encadeamento de viagens. Além disso, as mulheres fazem mais viagens sem trabalho, muitas das quais acompanhadas por crianças. Uma infraestrutura de ciclismo segura e adequada torna-se assim fundamental. Isto é ainda demonstrado pelas quotas modais invertidas nos países mais desenvolvidos em termos de ciclismo. Na Holanda, a quota de ciclismo das mulheres é de 28%, em comparação com 26% para os homens

Compreender a necessidade de conceber cidades para fazer viagens mais curtas está no centro de conceitos como a "cidade dos 15 minutos", que está rapidamente a ganhar ímpeto. Pressionada por Anne Hidalgo, a Presidente da Câmara de Paris, a ideia subjacente é que as casas dos residentes, o local de trabalho, as compras, o entretenimento, a educação e as necessidades de cuidados de saúde estejam todos a 15 minutos a pé ou de bicicleta. 

A conceção de cidades tendo em mente as necessidades das mulheres, especialmente pobres e marginalizadas, contribui para tornar a bicicleta mais acessível e atrativa a grupos de pessoas que, de outra forma, estariam sub-representados na bicicleta. E, como Pinar Pinzuti muito bem diz: 

"Se as mulheres andam de bicicleta numa cidade, os homens e as crianças também andarão"!




Mulheres e Mobilidade em Bicicleta na Velo-city 2021 Lisboa

A próxima edição da série de conferências Velo-city trará todos os Velo-citizens a Lisboa, Portugal, de 6-9 de Setembro de 2021. Juntos, exploraremos a criação de ambientes inclusivos, amigos da mobilidade ativa e acessíveis a ciclistas de todas as idades, capacidades, origens e géneros.

O Programa Preliminar da conferência foi agora publicado, e três sessões serão dedicadas especificamente a abordar temas de género e ciclismo. Nos meses que antecedem a #VC21, iremos dedicar mais espaço à exploração aprofundada destas sessões. Por isso, fiquem atentos ao que aí vem!


Rede de Mulheres no Ciclismo 

Women in Cycling é uma nova iniciativa lançada pela ECF, CIE, Velokonzept, Mobycon e CONEBI com o objetivo de ajudar as mulheres a obterem maior visibilidade, impacto e papéis de liderança no sector da mobilidade em bicicleta. A rede foi lançada a 24 de Fevereiro de 2021, e conta com mais de 550 participantes. Celebre o Dia Internacional da Mulher, juntando-se a nós aqui.

Por Eva Malovrh
08 de Março, 2021